segunda-feira, 22 de maio de 2017

O Assassino era o escriba


Como em todos os seus trabalhos, Paulo Leminski esbanja conhecimento, coerência e muito humor neste texto criativo e bem divertido. Saber jogar com as palavras é tarefa para poucos. Uma lição em cada frase.

Meu professor de análise sintática era o tipo do sujeito inexistente.
Um pleonasmo, o principal predicado de sua vida,
regular como um paradigma da 1ª conjunção.
Entre uma oração subordinada e um adjunto adverbial,
ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito
assindético de nos torturar com um aposto.
Casou com uma regência.
Foi infeliz.
Era possessivo como um pronome.
E ela era bitransitiva.
Tentou ir para os EUA.
Não deu.
Acharam um artigo indefinido na sua bagagem.
A interjeição do bigode declinava partículas expletivas,
conectivos e agentes da passiva o tempo todo.
Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.


Paulo Leminski

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem o seu comentário, este blog será apenas mais um...

Parabéns, professores!

Um dia, ao atender um advogado na Justiça do Trabalho da Quinta Região, percebi que aquele profissional era o antigo diretor do Colégio ...