domingo, 15 de outubro de 2017

Parabéns, professores!


Um dia, ao atender um advogado na Justiça do Trabalho da Quinta Região, percebi que aquele profissional era o antigo diretor do Colégio Estadual Manoel Devoto, instituição soteropolitana na qual estudei por longos sete anos. A ele dirigi-me reverentemente, logo identificando-me como um humilde ex-aluno do inesquecível colégio. O seu rosto ornou-se de um largo sorriso ao encontrar-se casualmente com um ex-aluno que de pronto o reconhecera. A alegria fê-lo esquecer-se por um tempinho do móvel que o levara a estar ali, sendo inevitável reservarmos um pouco do nosso precioso tempo para relembrarmos a convivência no antigo colégio.     
Nós, os alunos, estávamos habituados a ouví-lo todas as quintas-feiras, numa cerimônia de cariz cívico, cujo ápice era o hasteamento do pavilhão pátrio enquanto cantávamos o hino nacional, antes que as aulas do turno matutino se iniciassem. À tarde, após o encerramento das aulas, o rito se repetia, desta feita para a arriamento da bandeira nacional. Dizia-nos ao final dos seus discursos que éramos “os melhores alunos no melhor colégio”. Sentíamo-nos tão orgulhosos com isto! Perdoem-me a imodéstia, mas o que ele dizia era verdade. Tínhamos excelentes professores, numa altura em que esses profissionais já não eram assim tão valorizados.
Intento aqui render a minha homenagem a todos os professores, esses bravos, incansáveis e desvalorizados profissionais que operam na erradicação da ignorância, da carência de conhecimento e da falta de civilidade. Hoje, o profissional do ensino convive com o perigo, com o mau tratamento que lhe dão os alunos inimigos do aprendizado, e ainda submete-se a fazer malabarismos financeiros para satisfazer as suas próprias necessidades de sobrevivência.
Não faz muito, assisti a uma entrevista concedida pelo Comandante de um colégio militar. A arrogante repórter lhe perguntara se era verdade que o/a responsável pelo aluno Fulano de tal havia sido convocado para cientificar-se de que deveria transferir o seu filho para outro estabelecimento de ensino. Sem temer nenhuma interpretação de que o colégio tomara medida politicamente incorreta, o Comandante ratificou a notícia, e informou à repórter que o colégio exigia conduta irrepreensível de todos os alunos. Ali era uma casa de ensino, disciplina e ordem. O faltoso aluno era multirreincidente em comportamentos indisciplinados, inclusivamente em desapreço aos professores, e havia desperdiçado toda a tolerância admissível. Pude notar como a repórter frustrou-se por não ser capaz de amedrontar o Comandante.   
Domingo, dia 15 de outubro, comemora-se no Brasil o Dia do Professor. Faço coro às justas homenagens que são tributadas aos professoresexpresso meu mais profundo respeito e veneração a esses digníssimos profissionais. A eles, pois, o meu preito de gratidão.
Parabéns, professores!
Ah, ia-me esquecendo de segredar-lhes: também já fui professor. 



Magno R Andrade
@magnoreisand – siga-me no Twitter





Magno Reis Andrade, protestante, brasileiro, nasceu em 17 de Junho de 1951, em Jequié, BA. Aos oito anos de idade, foi com os seus pais morar na capital baiana. Em 1969, foi admitido na Universidade Federal da Bahia, para, em 1973, bacharelar-se em Farmácia-Bioquímica. Com tal competência laborou até o ano de 1980, principalmente no Município de Bom Jesus da Lapa, BA. Lá, conheceu a sua futura esposa, a mesma que lhe daria as suas duas preciosas filhas. Em 1980, aceitou o desafio de trabalhar numa função pública municipal em Salvador, BA. Neste mesmo ano, ingressou no curso de Administração de Empresas, mantido pela Universidade Católica do Salvador, instituição que, em 1986, conferiu-lhe o respectivo grau de bacharel. Ainda em 1980, voltou à Universidade Federal da Bahia, para realizar o curso de Administração Pública, enfim, inconcluso por exiguidade de tempo. Mediante concurso público, em 1989 passou a exercer o cargo efetivo de Analista Judiciário no Tribunal Regional do Trabalho da Quinta Região, BA. Ao se reformar em Novembro de 2010, exercia há sete anos as funções de assessor jurídico no Serviço de Análise de Processos Judiciais, unidade organizacional de direto apoio à Presidência do Tribunal trabalhista. Em 1990, retornou à Universidade Católica do Salvador, desta feita para, em 1995, obter o grau de bacharel em Direito. Entre os anos de 1970 e 1973, integrou profissionalmente o Madrigal da Universidade Federal da Bahia. Gosta de idiomas, ama a língua portuguesa.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Era uma vez


Era uma vez uma avó.
Era uma vez uma avó sem limites.
Era uma vez uma avó sem limites e sem mobilidade.
Era uma vez uma avó sem limites que, mesmo sem mobilidade, cozinhava bem demais.
Era uma vez uma avó sem limites que, mesmo sem mobilidade, cozinhava bem demais e ainda fazia o prato que cada um gostava.
Era uma vez uma avó sem limites que, mesmo sem mobilidade, cozinhava bem demais, e ainda fazia o prato que cada um gostava, mesmo que isso significasse doze preparações para cinco comensais.
Era uma vez uma avó sem limites que, mesmo sem mobilidade, cozinhava bem demais, e ainda fazia o prato que cada um gostava, mesmo que isso significasse doze preparações para cinco comensais. E sempre sem perder a ternura.
Uma vez, a avó sem limites que, mesmo sem mobilidade, cozinhava bem demais, fazia o prato que cada um gostava, ainda que isso significasse doze preparações para cinco comensais, sem nunca perder a ternura, fez tudo isso. Para arrematar, fez três bolos de pelo menos 8 ovos cada um: cenoura, banana e laranja eram os sabores.
Não contente, no dia seguinte (e ainda com três bolos quase inteiros pela casa), a avó sem limites que, mesmo sem mobilidade, cozinhava bem demais, fazia o prato que cada um gostava, mesmo que isso significasse doze preparações para cinco comensais, sem jamais perder a ternura, já tendo feito tudo aquilo e os três bolos de pelo menos 8 ovos cada um, resolveu fazer mais um bolo. Por que não? De fubá com amendoim. Agora eram cinco pessoas e quatro bolos grandes. Fora as novidades do almoço.
Era uma vez uma avó sem igual, por quem "era uma vez" meu regime.
@GuiCarloni

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Memórias de um concurso público que me deixou lições para toda a vida




Por Marcos Mairton

Escrevo hoje sobre fatos que estão prestes a completar vinte anos, mas são muito presentes em minha memória. Além disso, podem servir de inspiração a quem enfrenta atualmente as batalhas do conhecimento nos concursos para cargos jurídicos, os chamados "concurseiros".
Em 1997, eu era advogado no Banco do Nordeste do Brasil, uma sociedade de economia mista, na qual trabalhava desde 1980. Emprego conquistado por concurso, aos quatorze anos de idade, no cargo de bancário aprendiz.
Havia percorrido todo um caminho do promoções e seleções internas, chegando a coordenador de uma equipe de advogados. Até que decidi buscar novos horizontes, e inscrevi-me em um concurso público para o cargo de Procurador do Banco Central do Brasil.
As vagas no Banco Central eram distribuídas por localidade, duas para Fortaleza.
- Só duas? - perguntou um amigo.
- É suficiente - respondi sorrindo. - Deixa o resto do pessoal brigar pela outra!
E comecei a estudar, item por item, o programa.
Tratava a dedicação ao estudo como um segundo emprego. Todos os dias. Com hora certa para começar e terminar. A diferença era que, nesse segundo “emprego”, ao invés de os sábados, domingos e feriados serem momentos de descanso, eram dias de carga horária dobrada.
Valeu a pena. Feitas as provas e publicado, algum tempo depois, o resultado, vi a brincadeira que houvera feito meses atrás tomar forma de profecia: no site do CESPE, meu nome era o único no espaço reservado aos aprovados para as vagas de Fortaleza; a outra vaga havia sobrado.
A história poderia ter terminado com esse final feliz, mas estava apenas começando. E começando de um jeito que eu jamais esqueceria.
Tendo ido dormir certo da aprovação, somente no dia seguinte percebi que havia sido aprovado apenas na prova objetiva, e não na subjetiva. Nesta, deixei de alcançar a nota necessária para atingir o perfil mínimo. Faltaram-me dezessete centésimos.
Isso mesmo, dezessete centésimos de ponto. Com um detalhe: a pontuação máxima da prova era 20, com um perfil mínimo de 10. Então, tendo feito 9,83 pontos, faltaram-me os fatídicos 0,17.
Se o leitor chegou até aqui, deve estar se perguntando: como assim? Era o que eu também me perguntava naquele dia. Longas foram as horas que se seguiram até que as cópias das planilhas de correção estivessem em minhas mãos. De posse do material, passei a oscilar entre a frustração e a incredulidade.
Eram apenas duas as questões da prova subjetiva. Os avaliadores consideraram que errei totalmente a primeira (resultado que até hoje não aceito) e atribuíram-me os dez pontos da segunda. Isso me garantiria a aprovação, não fosse pelos dezessete centésimos que me foram descontados, pelo que consideraram um erro de português.
O erro causador de efeito tão catastrófico? Eu escrevera “supra mencionado”. Assim mesmo, com o “supra” separado do “mencionado”.
Claro que eu sabia que se escreve “supramencionado” em uma palavra só. No rascunho havia escrito certo. Mas aquele era meu primeiro concurso jurídico, então achei que seria uma boa ideia escrever em rascunho e depois transcrever para a folha de respostas. Na hora de “passar a limpo”, por alguma razão, a cisão aconteceu. Surgiu um espaço entre o “supra” e o “mencionado”.
Recorri administrativamente, sustentei de várias formas que aquilo não chegava a ser um erro gramatical, mas somente o Judiciário acatou meus argumentos. Obtive medida liminar determinando minha nomeação e posse.
Surgiu daí um momento de difícil decisão: valeria a pena deixar o emprego público em uma entidade paraestatal, na qual havia entrado por concurso e construído toda uma história de dezoito anos? Não seria arriscado demais tomar posse no novo cargo, em caráter precário, como é próprio das medidas liminares?
Tentei algum tipo de afastamento temporário, ou uma forma de desligamento que me permitisse voltar ao cargo, caso a liminar fosse cassada, mas sem sucesso. Terminei pedindo demissão do BNB e tomando posse como Procurador do Banco Central no dia seguinte, em janeiro de 1998, por força de liminar.
Narro esses acontecimentos para compartilhar com os leitores - especialmente os concurseiros - o quanto foi frustrante tomar conhecimento da derrota, depois de haver comemorado a vitória. Ver escapar por entre os dedos a conquista. E, o que me parecia pior, ser derrotado por minha própria incompetência (ou pela arrogância de examinadores insensatos), e não para um concorrente mais preparado.
Mas, escrevo também, para dizer o quanto valeu a pena não me deixar dominar pela frustração. Seguir em frente, sem medo de enfrentar outras batalhas.
Correr o risco da posse precária talvez não tenha sido a opção mais sensata. Mas, no fim das contas, é provável que a condição “sub judice” - que me acompanhou durante toda a minha permanência no Banco Central - tenha sido um dos maiores incentivos para continuar estudando. Até com mais afinco. Não é nada agradável viver sob o risco da cassação de uma liminar que nos garante o emprego.
A aprovação em concurso para Advogado da União, e a posse no cargo, em fevereiro de 2000, puseram fim ao processo judicial - extinto por perda do objeto - e a dois anos de tensão. Quatorze meses depois, deixei a AGU para me tornar colega dos juízes federais cujas decisões me haviam proporcionado fazer aquela travessia.
De tudo isso, guardo a lição de que é preciso determinação na busca dos nossos objetivos. Não desanimar, quando as coisas parecerem não estar dando certo, nem permitir que a ansiedade tire nossa concentração do momento atual.
Aos que buscam o seu espaço através de concursos públicos, costumo dizer: não adianta ficar pensando se a prova vai ser difícil, nem se há muitos concorrentes; seu compromisso é estudar o mais detalhadamente possível cada item do programa.
E digo também que se acostumem a escrever sem ter que passar a limpo.
A verdade é que passei anos sem escrever a palavra “supramencionado”. Ainda hoje, não consigo escrevê-la sem lembrar de toda essa história.
P. S.: Ao narrar esses fatos, rendo homenagem a Romério Coelho Portela de Melo e Peter John Arrowsmith Cook Jr, meus colegas, procuradores do Banco Central, com quem pude contar nos momentos mais difíceis desse período da minha vida.

Supra-citado não, Excelência, supracitado!







 Uma das mais tormentosas questões para quem escreve em português é o uso correto do hífen. Este sinal gráfico (-), a que também se chama traço de união, é usado para pacificar os elementos de um composto, para que não vão a vias de fato. É utilizado para servir de conciliador a alguns prefixos e os demais elementos de uma palavra composta, prevenindo-se conflitos e mortes gramaticais, e é aplicado para separar as sílabas em final de linha, ou, ainda, para indicar os elos enclíticos e mesoclíticos.
Das hipóteses acima algumas são rigorosamente indolores e de facílima aplicação. Nem se necessita de anestesia. No entanto, quem quer que escreva precisa de arriscar-se a comer da árvore do conhecimento do bem e do mal. Refiro às palavras bem e mal e não exatamente à transgressão adâmica noticiada no Pentateuco. De fato, as palavras bem e mal têm temperamento irascível e exigem espaço exclusivo. São indomáveis. Para praticar o bem, deve verificar se se trata de palavra composta por aglutinação, caso em que não haverá hífen [benquisto, benfeitor]. Não sendo assim, convém recolher da árvore do conhecimento do bem e do mal alguns hífenes a serem usados em bem-estar, bem-vindo, bem-aventurança etc. E, para não parecer pessoa malcriada ou mal-educada, ou alguém que queira malferir o idioma, será bom saber que, após praticar o mal, usa-se o hífen em palavras começadas por vogal, h ou l, como nos exemplos “mal-humorado” e “mal-limpo” [VOLP da ABL].
Em “Deixem o hífen em paz”, trabalho disponível na internet [http://goo.gl/6lJHde], Wertheimer e Scarton lembram-nos didaticamente do que alguns dizem sobre o hífen: “foi nosso arquiinimigo, e continua sendo nosso arqui-inimigo” [sic].
Sem fugir ao tema, falemos de flores. Ah, as flores… Gosto delas. Outro dia, fui comprar umas e meti-me em apuro. Vi uns malmequeres lindos e pedi à vendedora duas dúzias deles. A florista, uma mui jovem senhora de uns oitenta anos de idade, não percebeu plenamente o que eu lhe pedira, e perguntou-me: “quer malmequeres ou bem-me-queres?”. Falava sério e tinha lá as suas razões. Para não criar desentendimentos com os defensores do Acordo Ortográfico de 1990, nem com os seus respectivos opositores, ela organizara na sua loja duas alas de prateleiras. Numa delas estavam todas as flores com os nomes anteriores ao Acordo Ortográfico, e que assim se mantiveram após a sua vigência; na outra, as de nomes alterados pelo Acordo. Respondi-lhe: “senhora, venda-me os mais baratos”, contudo, uns e outros tinham o mesmo preço. Eram iguais. Comprei-os e entrei numa livraria para adquirir logo uma gramática da língua portuguesa.
Antes de reformar-me, trabalhava na função pública e servia a um dos ramos da Justiça Federal. Lá, degustei sem sal e sem tempero muitos batráquios anuros vivos. Um dia, engoli um desagradável e irrequieto sapinho. Na qualidade de secretário de audiência, função que exercia ao tempo do episódio, deveria exarar em ata tudo o que me ditava o/a juiz/a. Assim, ao ouvir o que o/a magistrado/a dissera, eu digitei “supracitado”. Na altura, ele/ela exigiu-me enfaticamente intercalar um hífen a supra e a citado, para, enfim, chegar vitoriosamente ao “supra-citado”. Tudo isto audível e publicamente, claro. Sentindo-me qual verdadeiro iletrado, cumpri silente e fielmente o seu divinal e judicial mandado.
Com efeito, o Acordo Ortográfico andou a modificar as coisas. Mas, no caso do termo supracitado, em nada o afetou. A dúvida que tenho – e nem a poderia extirpar via embargos declaratórios, porque precluído o prazo processual – é se aquele/a magistrado/a já terá aprendido a escrever supracitado. Tê-lo-á? Insondável mistério!
Senhoras e senhores, façam as suas apostas. Dou-lhes uma…

Posted on 5 de Dezembro de 2016


Magno R Andrade
@magnoreisand – siga-me no Twitter





Magno Reis Andrade, protestante, brasileiro, nasceu em 17 de Junho de 1951, em Jequié, BA. Aos oito anos de idade, foi com os seus pais morar na capital baiana. Em 1969, foi admitido na Universidade Federal da Bahia, para, em 1973, bacharelar-se em Farmácia-Bioquímica. Com tal competência laborou até o ano de 1980, principalmente no Município de Bom Jesus da Lapa, BA. Lá, conheceu a sua futura esposa, a mesma que lhe daria as suas duas preciosas filhas. Em 1980, aceitou o desafio de trabalhar numa função pública municipal em Salvador, BA. Neste mesmo ano, ingressou no curso de Administração de Empresas, mantido pela Universidade Católica do Salvador, instituição que, em 1986, conferiu-lhe o respectivo grau de bacharel. Ainda em 1980, voltou à Universidade Federal da Bahia, para realizar o curso de Administração Pública, enfim, inconcluso por exiguidade de tempo. Mediante concurso público, em 1989 passou a exercer o cargo efetivo de Analista Judiciário no Tribunal Regional do Trabalho da Quinta Região, BA. Ao se reformar em Novembro de 2010, exercia há sete anos as funções de assessor jurídico no Serviço de Análise de Processos Judiciais, unidade organizacional de direto apoio à Presidência do Tribunal trabalhista. Em 1990, retornou à Universidade Católica do Salvador, desta feita para, em 1995, obter o grau de bacharel em Direito. Entre os anos de 1970 e 1973, integrou profissionalmente o Madrigal da Universidade Federal da Bahia. Gosta de idiomas, ama a língua portuguesa.

sábado, 8 de julho de 2017

Nomes

Por Marcos Mairton

Às vezes fico observando os nomes das pessoas. Nunca me interessei por numerologia, mas, de vez em quando me pergunto: será que Napoleão teria sido quem foi se se chamasse Alberto? Ou Amarildo? E os meninos que depois foram chamados Napoleão? Sofreram ou sofrem alguma influência da personalidade daquele que fez famoso o nome? Joaquim teria se tornado o Mártir da Independência se não usasse a alcunha de Tiradentes? Zico teria sido tão bom jogador se houvesse permanecido Artur?
Em 1985, quando trabalhava no departamento de recursos humanos de um banco, participei da organização de um concurso para estagiários. Qual não foi a surpresa, minha e dos meus colegas de trabalho, quando percebemos que entre os inscritos havia dezenas de Robertos Rivelinos! Por quê? Porque o concurso era dirigido a jovens de quinze anos de idade, ou seja, nascidos em 1970. O que pretendiam os pais ao dar aos seus filhos o nome de um jogador da seleção brasileira tricampeã mundial? E, se o tricampeonato não houvesse sido conquistado, haveria tantos Robertos Rivelinos naquele ano?
São perguntas sem resposta. Mas, mesmo nomes que não nos remetem diretamente a pessoas de destaque acabam chamando a minha atenção. É que, apesar de os nomes próprios serem considerados pela gramática como substantivos, é fácil ver que há nomes que bem poderiam ser adjetivos ou verbos.
Por exemplo, Vilmar, Valdemar e Jair são nomes verbos. Verbos no infinitivo. Fernando, Orlando e Gumercindo também são verbos, mas são gerúndios. Maria é futuro do pretérito. Dirceu é pretérito perfeito. E Gilmara é pretérito mais que perfeito.
Alguns nomes adjetivos são fáceis de identificar. É assim com Prudente, Vicente e Amado, embora esse último possa ser um verbo no particípio. Outros nomes adjetivos são mais sutis, mas o leitor há de perceber como soa natural quando digo que meu vizinho “é um rapaz muito Sérgio”. Que “o ambiente estava um pouco Getúlio”. Ou que “meu professor de matemática é um rapaz Fábio”. E quem já não ouviu falar de uma mulher Amélia? Nomes adjetivos, sem dúvida.
Pode ser uma mania, pode ser apenas uma brincadeira, mas volta e meia me encontro refletindo sobre isso. Foi fazendo essas reflexões que percebi que meu nome não é adjetivo nem verbo. É substantivo mesmo.
Com o detalhe que, apesar de eu ser uma só pessoa, é um substantivo plural: Marcos.

Marcos Mairton

Escritor cearense, com vários livros publicados, membro fundador da Academia Quixadaense de Letras (AQL) e da Academia Brasileira de Cultura Jurídica (ABCJuris).
Twitter: @MarcosMairton

sábado, 17 de junho de 2017

Magno Reis Andrade

Hoje em homenagem especial
A um ser humano de verdade
Nem parece virtual
O amigo Magno Reis Andrade.

Que mundo fabuloso é esse, o virtual. Vicia-nos levando ao mundo inexistente das máscaras que usamos, alternadamente, no encanto e desencanto de um céu digital.

Nessa singela e espontânea mensagem, diferente em essência e estilo de tudo o que já escrevi ou falei, homenageio um aniversariante especial. Um amigo virtual que faz parte do meu mundo real.

Sim, ele é diferente: Não olha em meus olhos e vê meu coração; não percebe minhas lágrimas e sabe confortar-me. Tem comentários oportunos em momentos tão difíceis. É ou não é um amigo diferente? 
Hoje é o teu dia, Magno. Além dos bons fluidos que inundo essa mensagem, desejo que a reflexão de todos os momentos de um ciclo que se finda, seja a grande motivação das novas atitudes, ao que se inicia.
O que mais posso desejar a uma pessoa que considero linda, justa e solidária? 
Que sejas amado e lembrado por muitos, que tenhas surpresas agradáveis de todos os que te rodeiam e reconhecem como refúgio em dias de tempestades, ombro e colo em dias de lágrimas, arco-íris em dias negros e calmaria em dias atormentados.
Parabéns pelo teu aniversário! Comemore a maravilha de seres um alguém tão especial, maravilhoso e sem igual. Toma alegria, brinca à vontade, o que vale é a felicidade! 

Que Deus ilumine a tua estrada. Que proporcione as melhores caminhadas e que realize todos os teus sonhos.


Para mim és um presente,
Saúde, paz e siga em frente.
Ano que vem, tomara
Que estejas aqui com a gente!

Meu abraço.
A flor é virtual, mas o carinho é real.





sexta-feira, 16 de junho de 2017

ÁGUA NO POTE: UM SANTO REMÉDIO

Há muito deixei de comprar jornal editado em papel. Na forma tradicional, os jornais matutinos e/ou vespertinos têm apenas uma publicação diária, pois não seria razoável publicá-los em nova edição gráfica a cada fato emergente, por mais extraordinário que seja. Em qualquer das formas, não haveria mesmo demanda tão cativa para os absorver com tanta frequência, dada a profusão de portais noticiosos internéticos. Uma consulta à internet resulta ter mais praticidade e menor custo.
Nesse passo, sempre que vou ao computador, observo o que se está a publicar nos grandes portais noticiosos. Verifico o que está a dizer o brasileiro G1, onde por vezes divirto-me com as chamadas gramaticalmente ambíguas e/ou pessimamente redigidas, tanto quanto acedo aos lusitanos Diário de Notícias e Jornal de Notícias. É-me sempre proveitoso ler as crônicas ou artigos publicados nestes dois últimos, sendo-me impossível não aprender algo novo ao final dessas leituras. Do ponto de vista linguístico, fico a observar coisas interessantes, como, por exemplo, o fato de um bom articulista português que vivera alguns anos no Rio de Janeiro saber manejar com grande proficiência e correção a variedade europeia do Português – o que lhe é natural – a par de ocasionalmente deixar-se trair pelo brasileiríssimo gerúndio, ou involuntariamente grafar “ônibus” em detrimento ao seu “autocarro”.
No dia 12 de dezembro de 2015, publicou-se no Diário de Notícias: “Casados há 90 anos dizem que o segredo é “nunca discutir”” [http://goo.gl/ejGV1x]. Isto não é maravilhoso? Trata-se de um homem e uma mulher, ambos indianos e pleonasticamente casados entre si, residentes no Reino Unido, que parecem ter descoberto a chave da felicidade. Asseguram nunca terem travado fortes argumentações conjugais. De mim para mim, fico a pensar qual seria o verdadeiro nível de comunicação entre os dois. Seriam mágicos, hábeis telepatas ou o segredo estaria no pote? Explico-lhes.
Uma ovelha consultou o seu pastor à alegação de sofrer constantes e intencionais insultos maritais. Na versão da queixosa, a convivência com o seu marido estava insustentável, pois a cada provocação sofrida correspondia uma reação uxória, realimentando todo o circuito vicioso. O ministro ouviu-a atentamente, analisou a situação exposta e deu-lhe uma garrafinha contendo um líquido incolor, insípido e inodoro. Antes de se opor a qualquer ofensa, deveria ela deitar o líquido numa caneca, e com ele encher a boca sem o ingerir. Deveria repetir o procedimento a cada vez que o marido a importunasse.
A mulher seguiu à risca o aconselhamento pastoral. Com o passar do tempo, percebeu que estando com a boca cheia d´água era-lhe impossível dar adequada resposta aos desaforos do marido, como, por igual, sem a reação que o reanimava, ele foi aos poucos deixando de a molestar. Entretanto, um probleminha surgiu-lhe: o líquido acabara. Sem saber onde o comprar, aquela senhora voltou ao gabinete pastoral e, entusiasmada, disse ao ministro:
– Pastor, aquele líquido é muito bom. Depois que passei a usá-lo nunca mais tive discussões com o meu marido. E, olhe, ele também melhorou muito, está praticamente curado. Poderia dar-me mais uma garrafinha desse santo remédio?
Em resposta, o pastor perguntou-lhe se em sua casa havia um pote com água.
– Sim, pastor, nós o temos.
– Então está resolvido. O líquido que lhe dei é água. Pode usar a que está em seu pote.
É isto. Ela seguiu a prescrição pastoral e nunca mais tiveram confrontações, até os nossos dias.
Ah, “mutatis mutandis”, a receita pode ser usada pelos homens.
Magno R Andrade
@magnoreisand – siga-me no Twitter
Magno Reis Andrade, protestante, brasileiro, nasceu em 17 de Junho de 1951, em Jequié, BA. Aos oito anos de idade, foi com os seus pais morar na capital baiana. Em 1969, foi admitido na Universidade Federal da Bahia, para, em 1973, bacharelar-se em Farmácia-Bioquímica. Com tal competência laborou até o ano de 1980, principalmente no Município de Bom Jesus da Lapa, BA. Lá, conheceu a sua futura esposa, a mesma que lhe daria as suas duas preciosas filhas. Em 1980, aceitou o desafio de trabalhar numa função pública municipal em Salvador, BA. Neste mesmo ano, ingressou no curso de Administração de Empresas, mantido pela Universidade Católica do Salvador, instituição que, em 1986, conferiu-lhe o respectivo grau de bacharel. Ainda em 1980, voltou à Universidade Federal da Bahia, para realizar o curso de Administração Pública, enfim, inconcluso por exiguidade de tempo. Mediante concurso público, em 1989 passou a exercer o cargo efetivo de Analista Judiciário no Tribunal Regional do Trabalho da Quinta Região, BA. Ao se reformar em Novembro de 2010, exercia há sete anos as funções de assessor jurídico no Serviço de Análise de Processos Judiciais, unidade organizacional de direto apoio à Presidência do Tribunal trabalhista. Em 1990, retornou à Universidade Católica do Salvador, desta feita para, em 1995, obter o grau de bacharel em Direito. Entre os anos de 1970 e 1973, integrou profissionalmente o Madrigal da Universidade Federal da Bahia. Gosta de idiomas, ama a língua portuguesa.

A flor também voou



Fui ao Cemitério Jardim da Saudade para despedir-me de um familiar a quem sou mui grato por ter-me ajudado numa importante fase da minha vida. Finda a solenidade fúnebre e consumado o próprio ato do sepultamento, quando, então, manifestaram-se os derradeiros cumprimentos de pesar ao cônjuge supérstite e aos filhos órfãos, deu-se a subsequente dispersão daqueles que compareceram em solidariedade à família enlutada.
Com toda a intrepidez, os raios solares incidiam sobre a nossa desprotegida pele. A temperatura ambiente estava alta, o calor, insuportável. Suávamos a cântaros. Ainda assim, aproveitei a oportunidade para ir ao túmulo no qual repousam os restos mortais da minha querida filha falecida prematuramente. Pretendia nele deixar algumas flores representativas da intensa saudade que me efervesce o âmago do ser. Na altura, enquanto deitava flores na lousa tumular, observei um numeroso bando de periquitos em destemidos sobrevoos acrobáticos, organizado em triangular formação, a se deslocar velozmente no ar ao provável comando dalgum periquito-mor, atrás do qual todos os demais se punham a voar ao sabor dos inesperados movimentos e das ordens superiores de última hora. Tais periquitos pareciam estar em exercício de adestramento aeronáutico, ou, quem sabe, talvez estivessem a ser avaliados com vistas a obter promoção na Força Aérea. Voavam a descrever grandiosas espirais ascendentes, seguidos de voltas completas no plano vertical, complementadas por repentinos mergulhos no ar, sempre a iludir-nos quanto ao exato instante em que pousariam nos topos das árvores. Chilreavam em metálica e desafinada polifonia, fingindo estar a formar um harmonioso conjunto coral. Em verdade, entretanto, agiam como se estivessem a discutir apaixonadamente o resultado do último dérbi em que o juiz deixou de validar um importante tento, tanto para frustração da equipa atacante, quanto para alívio da rival que esteve na iminência de ter violada a sua baliza.
Ao referir o belo espetáculo público a um dos prepostos do cemitério, dele ouvi que as tais manobras aéreas são comuns nesta quadra do ano. Segundo ele, as aves circulam incansavelmente de um lado a outro em busca do essencial alimento, e para elas o intangível horizonte era o limite. Expôs que nestas incursões de longo curso, quase transcontinentais, elas iam até às cercanias da distante Avenida Luís Viana, onde moro, faziam outras investidas e então retornavam ao ponto de origem no Jardim da Saudade.
O informador tinha razão. Ao alvorecer de cada dia, eu me ponho na varanda da minha casa, e lá fico a observar uns pontualíssimos periquitinhos em evoluções coreográficas altamente radicais, felizmente sem nenhuma notícia de acidentes aéreos, muito embora passem em altíssima velocidade por entre os diversos edifícios sem ao menos lhes tocarem.
Um dia desses, depois de muitas dessas manobras exibicionistas, o provável periquito-chefe empoleirou-se numa árvore, no que foi imediatamente imitado pelos seus obedientes subalternos. Uma breve pausa para meditação e refazimento de forças, e o chefão do bando achou por bem alçar voo sem nenhum aviso prévio. Sempre alerta, imediatamente os comandados fizeram o mesmo.
Nesta última revoada, certamente iriam retornar ao campo-santo. Se tivessem vindo à minha varanda, eu lhes teria rogado que me fizessem a caridade de levar-me uma flor ao Jardim da Saudade. Eu até lhes recompensaria pelo serviço.
Entanto, os finórios fizeram de conta que nem me viram. Indiferentes a voar céu afora, foram-se embora, sumiram. E eu, em pleno desalento, a remoer o pensamento, ortostaticamente estagnado na varanda do meu apartamento, tendo às mãos aquela flor a simbolizar o amor que pela minha filha fervilha, deitei-a abaixo, soltei-a ao vento. Nessa hora, enquanto o meu coração chora e lateja, a tênue flor fraqueja a despetalar-se em lento bamboleio, quase a cindir-se ao meio sem forças para subir. Assim mesmo, o quanto pode ainda plana, plana em voo a esmo até sumir.
Magno R Andrade
@magnoreisand – siga-me no Twitter 
Magno Reis Andrade, protestante, brasileiro, nasceu em 17 de Junho de 1951, em Jequié, BA. Aos oito anos de idade, foi com os seus pais morar na capital baiana. Em 1969, foi admitido na Universidade Federal da Bahia, para, em 1973, bacharelar-se em Farmácia-Bioquímica. Com tal competência laborou até o ano de 1980, principalmente no Município de Bom Jesus da Lapa, BA. Lá, conheceu a sua futura esposa, a mesma que lhe daria as suas duas preciosas filhas. Em 1980, aceitou o desafio de trabalhar numa função pública municipal em Salvador, BA. Neste mesmo ano, ingressou no curso de Administração de Empresas, mantido pela Universidade Católica do Salvador, instituição que, em 1986, conferiu-lhe o respectivo grau de bacharel. Ainda em 1980, voltou à Universidade Federal da Bahia, para realizar o curso de Administração Pública, enfim, inconcluso por exiguidade de tempo. Mediante concurso público, em 1989 passou a exercer o cargo efetivo de Analista Judiciário no Tribunal Regional do Trabalho da Quinta Região, BA. Ao se reformar em Novembro de 2010, exercia há sete anos as funções de assessor jurídico no Serviço de Análise de Processos Judiciais, unidade organizacional de direto apoio à Presidência do Tribunal trabalhista. Em 1990, retornou à Universidade Católica do Salvador, desta feita para, em 1995, obter o grau de bacharel em Direito. Entre os anos de 1970 e 1973, integrou profissionalmente o Madrigal da Universidade Federal da Bahia. Gosta de idiomas, ama a língua portuguesa.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

O Assassino era o escriba


Como em todos os seus trabalhos, Paulo Leminski esbanja conhecimento, coerência e muito humor neste texto criativo e bem divertido. Saber jogar com as palavras é tarefa para poucos. Uma lição em cada frase.

Meu professor de análise sintática era o tipo do sujeito inexistente.
Um pleonasmo, o principal predicado de sua vida,
regular como um paradigma da 1ª conjunção.
Entre uma oração subordinada e um adjunto adverbial,
ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito
assindético de nos torturar com um aposto.
Casou com uma regência.
Foi infeliz.
Era possessivo como um pronome.
E ela era bitransitiva.
Tentou ir para os EUA.
Não deu.
Acharam um artigo indefinido na sua bagagem.
A interjeição do bigode declinava partículas expletivas,
conectivos e agentes da passiva o tempo todo.
Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.


Paulo Leminski

Parabéns, professores!

Um dia, ao atender um advogado na Justiça do Trabalho da Quinta Região, percebi que aquele profissional era o antigo diretor do Colégio ...